Banda

 

 
 

Em pleno século XXI, esta grande instituição de cariz sócio-cultural tem percorrido um grande e brilhante percurso, sensibilizando jovens para o movimento associativo, proporcionando espectáculos de grande qualidade artística, formando e educando sucessivas gerações nas mais diversas áreas, promovendo o nome de Palmela por onde passa e criando laços que perduram até aos dias de hoje.

Fruto de uma vontade maior e da HUMANIDADE, da qual lhe deriva o nome, a SOCIEDADE FILARMONICA HUMANITÁRIA tem hoje fortalecido o seu papel junto da Comunidade Educativa de que todos fazemos parte.

Ex-libris da Colectividade, a Banda da Sociedade Filarmónica Humanitária foi fundada em 8 de Outubro de 1864. São 148 anos ao serviço da música, recreando não só os associados desta colectividade como também o vastíssimo público nacional e internacional, para o qual tem actuado.

Vinte e três dias após a fundação da Sociedade, deu-se início à actividade recreativa: no dia de Todos os Santos, um conjunto de músicos resolve sair à rua, inaugurando assim, a sua participação activa na vida social e cultural desta Vila.

Do seu palmarés, destaca-se o primeiro prémio do “Concurso das Banda Civis de Portugal”, conquistado na Voz do Operário de Lisboa, em 10 de Dezembro do ano de 1947; a participação no Dia de Portugal na EXPO 92 em Sevilha; a conquista do 2º e 3º Prémios (na sua categoria) no Certame Internacional de Bandas de Música de Valência, em 1992 e 1993 respectivamente; a participação, em 1995, no 3º Concurso Bandístico Internacional Fliscorne D’ Oro em Riva Del Garda, em Itália e a actuação na EXPO 98 em Lisboa na semana do seu encerramento, 3º Prémio da 2ª Categoria, no 3º Concurso de Bandas do Ateneu Artístico Vilafranquense, assim como inúmeras participações em Encontros de Bandas Civis e actuações por todo o país, pautando-se sempre pelo seu elevado nível musical.

Actualmente, a Banda da Sociedade Filarmónica Humanitária continua a ter uma acção preponderante na vida cultural de Palmela, representando a Sociedade e o Concelho nos mais diversos pontos do País e da Europa.

É seu director artístico o Maestro João Quítalo, o qual rege um grupo de trabalho constituído por cerca de 75 elementos (25 dos quais profissionais, que iniciaram a sua actividade na Sociedade Filarmónica Humanitária), tem como principais características, a afinação e o equilíbrio de execução.

 

Maestro João Quítalo | Breve Biografia

Natural de Palmela, iniciou os seus estudos musicais na Sociedade Filarmónica Humanitária de Palmela. Ingressou na Academia de Música e Belas Artes Luisa Todi aos 13 anos estudando com o Professor José Eduardo Ferreira. Mais tarde ingressou no Conservatório Regional de Música de Setúbal onde viria a concluir o Curso de Clarinete na classe do Professor Manuel Jerónimo. Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian de 1992 a 1995.

Concluiu a Licenciatura do Curso de Clarinete na Escola Superior de Música de Lisboa na Classe do Professor Manuel Jerónimo em 2003. 

Frequentou vários Master Classes em todo o país e estrangeiro.

É membro e fundador do Trio de Clarinetes de Palmela e do Duo inTempo com os quais tem efectuado concertos por todo o país.

Tem participado em diversos grupos de Música de Câmara e Orquestras.

Em 1996 ingressa na Banda Sinfónica da Guarda Nacional Republicana onde actualmente desempenha as funções de 1º Sargento Músico.

Colaborou com o grupo de teatro O Bando na peça “ O Alma – Grande “, com encenação de João Brites e música original de Jorge Salgueiro.

Foi Professor de Clarinete na Escola de Música da Sociedade Filarmónica Humanitária de Palmela, na Casa do Povo de Vendas Novas, na Sociedade Timbre Seixalense, na Sociedade Instrução Musical da Quinta do Anjo e na Casa do Povo de Lavre.

Foi Maestro e Professor na Banda da Sociedade Filarmónica Benaventense de 2003 a 2005.

Em 2006 leccionou no VIII Curso de Aperfeiçoamento para Jovens Músicos organizado pela Casa do Povo de Lavre.

Lecciona Clarinete, Orquestra de Sopros e Ensemble de Clarinetes no Conservatório Regional de Palmela e Setúbal.

É, desde Abril de 2009, Maestro da Banda da Sociedade Filarmónica Humanitária de Palmela.