BANDA01.jpg
Line separator

A BANDA
DE MÚSICA DA SFH.

Fundada por um grupo de músicos, teve sempre como actividade principal a música, proporcionando e privilegiando o ensino da mesma a todos aqueles que o desejassem.

A BANDA
SAIU À RUA
.

A Sociedade Filarmónica Humanitária tem hoje fortalecido o seu papel junto da Comunidade Educativa de que todos fazemos parte. Ex-libris da Colectividade, a Banda da Sociedade Filarmónica Humanitária foi fundada em 8 de Outubro de 1864. São 154 anos ao serviço da música, recreando não só os associados desta colectividade como também o vastíssimo público nacional e internacional, para o qual tem actuado.

 

Vinte e três dias após a fundação da Sociedade, deu-se início à actividade recreativa: no dia de Todos os Santos, um conjunto de músicos resolve sair à rua, inaugurando assim, a sua participação activa na vida social e cultural desta Vila.

Do seu palmarés, destaca-se o primeiro prémio do “Concurso das Banda Civis de Portugal”, conquistado na Voz do Operário de Lisboa, em 10 de Dezembro do ano de 1947; a participação no Dia de Portugal na EXPO 92 em Sevilha; a conquista do 2º e 3º Prémios (na sua categoria) no Certame Internacional de Bandas de Música de Valência, em 1992 e 1993 respectivamente; a participação, em 1995, no 3º Concurso Bandístico Internacional Fliscorne D’ Oro em Riva Del Garda, em Itália e a actuação na EXPO 98 em Lisboa na semana do seu encerramento, 3º Prémio da 2ª Categoria, no 3º Concurso de Bandas do Ateneu Artístico Vilafranquense, assim como inúmeras participações em Encontros de Bandas Civis e actuações por todo o país e estrangeiro, pautando-se sempre pelo seu elevado nível musical.

 

De destacar ao longo da história da banda a presença de notáveis Maestros, sendo eles, Luís Filipe Ferreira, Lourenço Alves Ribeiro, Laurentino Serra e Moura, Manuel Maria Baltazar, Fernando Matos Simões, Manuel da Silva Dionísio, Victor Santos, Jacinto Montezo e João Paulo Quítalo.

 

Actualmente, a Banda da Sociedade Filarmónica Humanitária continua a ter uma acção preponderante na vida cultural de Palmela, representando a Sociedade e o Concelho nos mais diversos eventos um pouco por todo o País. É seu director artístico o Maestro Délio Gonçalves, o qual rege um grupo de trabalho constituído por cerca de 75 elementos (25 dos quais profissionais, que iniciaram a sua actividade na Sociedade Filarmónica Humanitária).

BIOGRAFIA
DO NOSSO
MAESTRO
.

delio_goncalves_maestro.jpg

​DÉLIO GONÇALVES
Nasceu em Azambuja, onde iniciou os seus estudos musicais, primeiro em Clarinete com o Maestro João Teófilo, e mais tarde em Fagote com o Professor Carolino Carreira.

 

Em 1990, fez o Curso de Técnicas Orquestrais para Instrumentistas de Sopro em Fagote, na Universidade Menendéz Pelayo com bolsa de estudo da própria Universidade, que viria a revelar-se fulcral na sua opção e decisão de abraçar a carreira artística. Em 1991, após concurso nacional, ingressa na Banda da Armada Portuguesa onde desempenhou as funções de 1º Fagote Solista.

 

Em 1992, ingressa na Escola Profissional de Música de Almada, onde continuou e finalizou os seus estudos em Fagote com o professor Carolino Carreira. Como jovem músico, colaborou com as Orquestras de Jovens do País e, profissionalmente com uma atividade intensa, trabalhou com os mais variados agrupamentos e Orquestras do nosso país, recitou a solo, e fez
concertos com imensos e diversificados agrupamentos de música de câmara.

 

Em 2001, terminou os seus estudos em Direção de Banda, Fanfarra e Brass Band, no Royal Music Conservatorium de Maastricht na Holanda, onde estudou com o Professor Jo Conjaerts.

Atualmente, a sua atividade está centrada na direção, trabalhando não só com músicos e agrupamentos profissionais, mas também no meio amador onde desenvolve uma atividade intensa, não só na direção mas também lecionando em Estágios e Workshops de música, e colaborando com os mais diversificados acontecimentos musicais, tanto em Portugal como no estrangeiro. É mentor e organizador de alguns eventos de destaque no nosso país, como são o caso do Workshop de Direção da S.I.M.P.S., e do Workshop de Direção e de Músicos Amadores da S.F.U.P. na lha do Faial (Açores), e do Concurso Internacional de Bandas Amadoras Ateneu Artístico Vilafranquense.

 

Atualmente com o posto de Capitão Tenente, Délio Gonçalves exerce
as funções de Maestro Chefe da Banda da Armada Portuguesa. É desde Fevereiro de 2019 Maestro da Banda da Sociedade Filarmónica Humanitária.