227946_214683795227775_130488843647271_790747_8249271_n.jpg
Line separator

ENSINO ARTÍSTICO
DA MÚSICA.

Cursos de Iniciação, Básico e Secundário de Música e, paralelamente, ministra o ensino da música nas Atividades de Enriquecimento Curricular nas Escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico do Agrupamento de Escolas de Palmela

HISTÓRIA
CRP
.

O Conservatório Regional de Palmela é uma escola particular do ensino artístico especializado da música, tendo como entidade titular a Sociedade Filarmónica Humanitária. Este projeto foi criado no ano letivo 2001/2002, com a finalidade de proporcionar aos jovens uma formação especializada na área da música, desenvolvendo competências a nível social, intelectual e artístico.


Ao longo destes 20 anos de existência, o Conservatório tem contribuído para um progressivo aumento do número de jovens que estudam música, sendo que alguns deles integram hoje algumas Orquestras, Bandas Militares e grupos de Música de Câmara com projeção nacional e internacional.


A vasta oferta de Ensembles Instrumentais, Coros, Orquestras de Sopro, Orquestras de Cordas, Orquestra Clássica e Orquestra Ligeira possibilita aos alunos o trabalho em equipa, contribuindo e estimulando nos mesmos hábitos de estudo, sentido crítico, musicalidade e criatividade.


Atualmente, o Conservatório Regional de Palmela conta com 420 alunos nos Cursos de Iniciação, Básico e Secundário de Música e, paralelamente, ministra o ensino da música nas Atividades de Enriquecimento Curricular nas Escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico do Agrupamento de Escolas de Palmela, acompanhados por um corpo docente de elevada qualidade.


Este grande projeto é uma realidade que transforma e enriquece todo o concelho, sendo com enorme satisfação que afirmamos: “É nosso, é da Humanitária!”

TITULO AQUI.

LOGO_VERTICAL.png
CRP2019-LOGOTIPO CINZA 60.jpg
Imagem Institucional_PNG.png

FALTA TEXTO (OU NÃO)

A sua longevidade e a riqueza da sua história, sugerem uma breve apreciação dos espaços em que esta sociedade se moveu ao longo dos tempos e, das actividades que desenvolveu e que vem desenvolvendo até hoje.

 

Ao longo dos tempos já teve sede junto ao actual Largo Marquês de Pombal e o primeiro Coreto, construído à entrada da vila de Palmela, na década de 1890; a segunda sede na Rua General Amílcar Mota – a Sede Antiga – caiada de rosa velho; o segundo Coreto, o que existe actualmente, no centro do Largo de São João, projectado por Salvador Augusto Camolas e inaugurado em 03 de Agosto de 1924; a esplanada ao ar livre junto ao Passo da Formiga; o próprio Largo de S. João e finalmente a Sede Nova inaugurada um século passado da fundação da Sociedade Filarmónica Humanitária, em 08 de Outubro de 1964.

Todos estes locais assistiram a concertos, teatros, variedades, actuações de conjuntos e orquestras, bailes, marchas populares, verbenas, cortejos alegóricos, largadas de touros à moda de pamplona, ginástica, canto e dança e claro, a horas incontáveis de dedicação, amor, união, companheirismo, sacrifício e muito trabalho de todos aqueles que se dedicaram ao crescimento e desenvolvimento desta grande casa.

Em 08 de Outubro de 1864, fruto de uma cisão na Sociedade Filarmónica Palmelense, existente desde 1852, é fundada a Sociedade Filarmónica "Independente" e Humanitária, momento esse que teve lugar nas casas de Isidoro Joaquim dos Santos, sito na rua Augusto Cardoso. Daí partiu-se para a primeira sede oficial, que ficava rua Almirante Reis, mas cuja ocupação durou pouco tempo, passando então a actividade da SFH para a rua General Amílcar Mota. Esta nova sede - chamada hoje de sede antiga - era sem dúvida a maior que a SFH já tinha tido e durante largos anos respondeu e acolheu toda a dinâmica das actividades e dos associados.

No entanto, depressa se enraizou a ideia de que também aquele espaço iria deixar de servir pois dificilmente comportava a quantidade de actividades da Sociedade e afluência às mesmas ou reunia condições que permitissem o seu desenvolvimento. Era preciso erguer um sonho: uma nova sede! Durante aquela década multiplicaram-se esforços e iniciativas para adquirir um terreno, projectar um edifício e construir a "Casa Nova".